"...Liberdade, essa palavra
que o sonho humano alimenta
que não há ninguém que explique
e ninguém que não entenda..."

Cecília Meireles

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

INSÔNIA (poesia)


A noite turva canta uma canção.
Só consegue ouvir  quem
Não tem medo da solidão.

Aqui, o sono foge de repente,
sem pedir permissão.
Não me importo; essa quietude
faz bem e alivia a tensão.

Olho para o céu escuro,
Com profunda admiração.
Minha diversão é olhar as estrelas,
Minhas companheiras de solidão.

Elas dizem que terei a paz que procuro,
Que jamais, devo temer a escuridão.
E que irão me acalentar, enquanto
O Sol não chegar.

É tudo magia e calmaria.
Deixo-me levar pela nostalgia.
Deito-me no gramado úmido.
Sinto a brisa fresca me acariciar.

Estou segura, vazia.
Não penso em nada.
Não desejo nada,
Nem mesmo o raiar do Dia.
Regina Gois




3 comentários:

  1. É na noite que encontro a paz que preciso...
    Muito bom o seu poema!!
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Me identifico muito com essa solidão!!!
    Queria novamente te agradecer, dessa vez por me seguir.Estou retribuindo com muito prazer!!!Abração fica na paz!!!

    ResponderExcluir
  3. Um brinde a insonia!!!Por causa dela criou se esta bela obra!!Paraabens poeta!!!Ficou belo o seu poema!!!Beijo grande!!Linda noite de verão!!
    Nicola

    ResponderExcluir