"...Liberdade, essa palavra
que o sonho humano alimenta
que não há ninguém que explique
e ninguém que não entenda..."

Cecília Meireles

sexta-feira, 22 de julho de 2011

RENÚNCIA



Foi sem querer que vi o seu olhar.
Em meio a tantos, só o seu eu vi.
Enquanto os  dos outros brilhavam
Você apenas olhava  e não via nada.

Seu olhar era  sombrio, vazio,
como as pedras desgastadas
na beira do rio,
que não sabem mais se é pedra ou  rio.

Não vi o calor dos trópicos,
nem o lamento dos ventos.
Não vi amor, nem tampouco rancor.

Vi resignação, de quem há muito parou,
esqueceu que teve  sonhos e os perdeu
no meio da estrada.

Senti que você se esqueceu,
apenas se deu e nada recebeu.
Foi isso que vi, amiga
Ainda bem que você nada percebeu. 
REGINA GOIS

5 comentários:

  1. hummm. que triste... de qum é esse olhar tão triste? Lindo poema!!

    ResponderExcluir
  2. Regina...esse olhar eu conheço!Bj.

    ResponderExcluir
  3. Regina,
    Eu li o poema e me vi nele....infelizmente!!!
    Bjs
    Cris

    ResponderExcluir
  4. Cris, é muito bom receber a sua visitinha.
    beijos

    ResponderExcluir